O bambu tem diversas funções no planejamento permacultural do Sítio Vagalume:

*Fixar o solo, evitando erosão;
*Formar quebra ventos ajudando a criar micro-climas para diferentes culturas;
*Produzir mudas;
*Produzir brotos comestíveis;
*Produzir varas para todo tipo de uso.

As condições observadas no Sítio Vagalume são:

*Encosta inclinada face noroeste;
*Solo pedregoso, ruim devido a anos de pastoreio;
*Ventos fortes;
*Altitude de 850m;
*Geadas constantes de maio a setembro.
*Área de aproximadamente 0,5 hectare, cercado de Floresta Ombrófila Mista.
* Precipitação média anual 2.100mm.

Plantar espécies alastrantes, invasivas, mais propícias ao local devido as baixas temperaturas, traz grande risco devido a proximidade da mata nativa. Para isso é necessário grande cuidado com a criaçao de proteçoes e barreiras para conter o crescimento das raizes. Assim decidimos plantar preferencialmente espécies entouceirantes, mais adequadas aos climas quentes. Uma pequena área foi cercada por valas onde foram plantados bambus alastrantes

No final de 2002 conheci o professor Marco Antonio dos Reis Pereira da Unesp de Bauru, seu trabalho maravilhoso, o viveiro e plantação experimental. Foram várias  viagens  a Bauru para buscar suas mudas e aprender muito. Trouxe mudas de guadua angustifólia, dendrocalamus giganteus e latiflorus e bambusa oldhami e textilis.

Iniciamos o plantio em fevereiro de 2003, com replantios nos anos seguintes.

As mudas da espécie guadua angustifólia sofreram demais com as geadas e ventos fortes, não se adaptando ao local. As 30 mudas inicialmente plantadas foram retiradas nos anos seguintes sendo substituídas por outras espécies, principalmente a bambusa oldhami, a mais adaptada as baixas temperaturas.
Os dendrocalamus sofreram muito com as geadas, mas sobreviveram e tem apresentado brotação vigorosa.

Posteriormente foram plantadas mudas de bambusa textilis e multiplex,  guadua chacoensis, e, mais recentemente alguns alastrantes.

Podemos assim resumir as espécies e números de touceiras no início de 2009:

• Bambusa Oldhami - 38 touceiras
• Bambusa Tuldóidis - 8 touceiras
• Dendrocalamus giganteus – 17 touceiras
• Dendrocalamus latiflorus – 1 touceira
• Guadua chacoensis – 5 touceiras
• Bambusa multiplex  - 4 touceiras
• Phyllostachys bambusoidis – 6 mudas

Durante os meses seguintes a brotação temos observado a presença do `bicho serrador`, que corta os brotos novos. As touceiras de bambusa oldhami e os dendrocalamus giganteus são as mais afetadas.
Tratamos as touceiras com spray de extrato de neen, que apresentou resultados satisfatórios. Porém, com o crescimeto das touceiras esse procedimento não é mais possível.

Em maio de 2008, cinco anos após o primeiro plantio, depois de muitas geadas, gado invadindo o bambuzal e comendo nossos brotos, retirada das mudas que náo se adaptaram ao clima extremos, replantio de mudas mais adaptadas…finalmente fizemos o primeiro manejo, na realidade mais uma limpeza e tabulaçao de todas as nossas touceiras. O bambusa oldhami é o que mais se adaptou, seguido do bambusa tuldoides. os dendrocalamus giganteus e latiflorus aparentemente superaram anos de adaptaçao a geadas, assim como os guadua chacoensis, que foram colocados em um microclima especial, junto a um corrego e protegidos das geadas mais intensas.

Veja album de fotos sobre nosso trabalho no feriadáo de 1 de maio de 2008. 

Logo no início de 2009 um vento de mais de 100km por hora derrubou 3 touceiras de bambusa oldhami que foram plantadas em local de solo raso. Essas touceiras foram repicadas e replantadas, veja fotos.

Veja os álbuns de fotos relacionados ao bambu no Sítio Vagalume:

Bambu no Sítio Vagalume

Bambu no Sítio Vagalume - Bicho Serrador

Bambu no Sítio Vagalume - Bioconstrução

Bambu em Bauru - Prof Marco Pereira

Bambu - A Planta